sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Sem fim

Vago por uma rua estreita, escura e sem fim, sem poder enxergar nada, vagando pelo vazio, as paredes me espremem a ponto de me sufocar, não tem ninguém para ouvir meus gritos de socorro. Vou chamar esse lugar de solidão.
Não gosto daqui, tenho medo, esse lugar me deixa sem ar, sinto como se fosse morrer a qualquer instante e não há ninguém para me socorrer, estou completamente só.
Não consigo encontrar sequer uma luz, como se estivesse perdido os sentidos, pleno breu, sem parar de procurar uma luz, andar tornou-se pesado, como se estivesse carregando algo muito pesado nas costas, a escuridão acomodou-se sobre meus ombros.
Sugando minha energia, meu ar, meus sentidos, estou morrendo aos poucos, sem ajuda ou socorro, morrerei só nessa rua escura sem fim, talvez só assim encontrarei uma luz qualquer.

9 comentários:

  1. fofurinha, que orgulho. Neijos pra ti.

    ResponderExcluir
  2. Fico cada dia mais orgulhoso, dá sua escrita. VOcê tem potencial e sabe disso. Eu te amo, minha divina! *-*

    ResponderExcluir
  3. Ô Clara... onde você estava hein? Adorei o blog e estarei sempre por aqui a partir de agora. :)

    ResponderExcluir
  4. Ai obrigada, eu estava aqui o tempo todo! hihihi

    ResponderExcluir
  5. Clara, adorei. Tem um selo pra você no meu blog! (:

    ResponderExcluir
  6. que bad hein..
    logo no natal que fica tudo gritante e insuportável

    www.decopocheio.blogspot.com

    ResponderExcluir